Aposentadoria e a morte lenta.

Atualizado: 18 de abr.

Caros amigos e amigas, depois de vinte e oito anos de coleguismo em uma mesma empresa e agora já aposentado, percebo o quão foi e é dignificante, gratificante e prazerosa a rotina do ambiente de trabalho e o quanto faz falta o contato diário com os colegas, sim colegas são tão diferentes de amigos, os colegas estão lá, num contato diário, as vezes prazenteiro e as vezes beligerante, enquanto que as amizades depois da profissão se tornam mais dispersas e menos rotineiras, muitas vezes o colega e a amigo se fundem em um e geram uma camaradagem ainda maior. Sonhos trabalhando se tornam uma constante até parece que o seu subconsciente sente falta da: rotina, dos colegas, do fim do expediente, das confraternizações, do último expediente do ano, do café da manhã na empresa, do corrido intervalo de almoço, dos clientes, que também pela constância se tornam colegas também. Há! e aquelas rodadas de Chopps, geralmente as sextas, até daqueles momentos considerados mais enfadonhos: reuniões improdutivos e intermináveis, cobranças e metas abusivas, filas intermináveis, tudo isso hoje passam a fazer parte de um momento que se foi e parece ficar, ficar distante e inalcançável. A angustia aumenta mais quando você retorna ao seu antigo local de trabalho e percebe que as coisas não são mais como eram antes, os olhares dos antigos colegas não são mais como antes, parecem distantes, os novatos lhes enxergam apenas como um cliente, você não faz mais parte do grupo, você foi excluído, e aí bate a tristeza, saudade e nostalgia, E o mais melancólico é quando você percebe que poderia ter contribuído mais e melhor, ter sido mais atencioso, se resignado mais com as demandas dos clientes, à medida que o tempo se distancia percebe o quanto a aposentadoria poderia ter sido postergada pois sinto que a experiência adquirida ao longo desses anos me fariam bem mais produtivo. Não descobrir ainda como reverter esse sentimento de anulação, por mais prazerosos que sejam as atividades pós aposentadoria: maior convivência com a família, novas amizades, viagens, cinemas, shopping, rotinas domesticas e redes sociais não estão preenchendo o vazio que a laboração me faz.



249 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo